Avançar para o conteúdo principal

Será que tem influência?

Nestes últimos dias tenho vindo a receber muitas mensagens privadas a fazer perguntas mas houve uma delas que achei que era interessante participar com todos vocês,como foi a sua gravidez  ?E o parto?

Ouvem se umas opiniões sobre a influência da gravidez e do parto e as tendências em ser ter um bebê com Asperger e hiperatividade e eu vou sinceramente acredito que tenha alguma influência e já vão entender o porquê.

A minha terceira gravidez teve tudo menos tranquilidade, as 20 semanas sou internada com pedra nos rins mas para piorar as coisas no dia em que ia ter alta tive uma ruptura de bolsa que me fez estar no hospital em repouso absoluto  mais de mês. Lembro me como se fosse hoje todos os sentimentos que tive naquele dia,saudades delas e medo de o perder a ele.
Foi horrível!

Vim para casa e na eco não conseguem ver a mão do Martim e ao medir a cabecinha notam que é maior que o corpo,foram feitos vários exames e não passou de um susto.

As 27 semanas sou novamente internada por anemia,diabetes descontrolados e contrações e vou para casa passadas três semanas.
Dias depois sou novamente internada devido a perdas de sangue e contrações e tenho alta já com 32 semanas.
Até às 37 ia a consultas de dois em dois dias até que no dia 17 de julho às 4 da manhã arrebentam me as águas,chego aos hospital as 5 da manhã e as 11 sem dores nem qualquer tipo de sofrimento nasce o Martim.

A gravidez foi muito complicado mas rapidamente foi tudo esquecido e valeu tudo a pena,cada dor,cada internamento. Mas muitas vezes dou por mim a pensar se não é está a causa de todos os problemas do Martim.

Qual a vossa opinião sobre o assunto?

Comentários

  1. Acredit que também influencie sim. Do meu Dinis passei de uma gravidez desejada e planeada para uma gravidez de risco que me assustou. Ás 18 semanas 1 dia depois de começarem as aulas, a 18 de Setembro de 2007, depois de regressar à escola para dar aulas de tarde, comecei com dores, de tal forma que me enrolei na sala de professores e fui dali direta para o hospital. Comecei com contracções. Fui para casa ficar em repouso. A minha filha na altura no 5.º ano começou a ter de andar sozinha de autocarro, e um belo dia enganou-se no autocarro para casa o que foi um pânico. A 5 de Janeiro recebemos a noticia de que uma colega do meu marido que também estava grávida morrera no parto... opções religiosas que cada um tem direito mas que a mim me revoltaram por conhecê-la e por estarmos grávidas ao mesmo tempo. 4 dias depois a minha cadela que eu adorava, retirei-a do lixo com dias e contra todas as expectativas sobreviveu. Era a minha filha «loura» como eu lhe chamava. Tinha 4 anos e meio e deu um uivo enorme e desmaiou... foi um mês de tratamentos, clinica veterinária, análises tratamentos... até que a operam... 2 dias depois dela ser operada eu fui internada a 6 de fevereiro de 2008 com indicios de apêndicite. Estive 5 dias internada. Durante esse período a minha filhota entrou em pânico e até urinou na caminha porque tinha medo que eu morresse como a colega do pai. Entretanto volei para casa para ter que decidir eutanasiar a minha menina de 4 patas. Foi muito duro emocionalmente. Assim a 12 de Fevereiro tive que me despedir... E uma semana depois nasce o meu tesouro, Perfeitinho com 4,240 kg mas magro e fruto de um parto fácil. Aqui penso que foram mesmo os medos, as emoções e as coisas pelas quais passámos e que eu lhe transmiti através do que sentia. Não sei... Beijinhos e Abraços a todas as mães de Aspergers Maravilhosos!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

A alimentação de um asperger

Normalmente alimentar uma criança com asperger é mais luta diária que nós pais enfrentamos, pois geralmente têm dificuldade quando se trata de comer uma variedade de alimentos. Texturas e cheiros desempenham um papel importante devido a questões sensoriais que experimentam. Além disso, ter muitas opções vai contra o que é confortável para essas crianças. Encontrar um equilíbrio é complicado e trabalhoso.
E normalmente tem problemas sensoriais que podem impedi-lo de registrar os sentimentos de fome, por isso nunca se pode contar com a fome do deles para motivá-los a comer.
As  tentativas de alterar a dieta, abitos ou objectos das refeições têm de se fazer com muita calma. O sucesso pode vir lentamente, mas o objetivo final é melhorar a alimentação e não abrir mais um guerra. Cada pequena vitória lhe trará um passo mais perto do resultado desejado.

O Martim em relação a alimentos novos não tem grandes problemas mas sim com os objetos para a mesma. .
Queria sempre comer no mesmo prato e …

Alguma vez pensou como são escolhidas as mães de meninos especiais???

Recebi hoje um e-mail de uma leitora. Quando o li emocionei-me e pensei em todas as mães "especiais". Obrigada pela partilha! Tinha de o  partilhar convosco.
Este texto é para todas nós.

“Alguma vez pensou como Deus escolhe as mães das crianças especiais?

Eu já… Uma vez vi Deus a pairar sobre a Terra, selecionando o seu instrumento de propagação com grande carinho (…). Enquanto observava, instruía os seus Anjos a tomarem nota num grande livro:

– Para a Beth, um menino. Anjo da Guarda, Matheus.

– Para a Miriam, uma menina. Anjo da Guarda, Cecília.

– Para a Regina, gêmeos. Anjo da Guarda Geraldo, ele já está habituado. Finalmente, Ele passa um nome para o Anjo, sorri e diz:

– Dê a esta mãe uma criança deficiente. O Anjo, cheio de curiosidade, pergunta:

– Porquê ela, Senhor? Ela é tão alegre!

– Exatamente por isso, diz Ele. Como poderia eu dar uma criança a uma mãe que não sabe o valor de um sorriso? Seria cruel…

– Mas será que ela vai ter paciência?

– Eu não quero que ela tenh…

Hiperatividade e omega3

Quando me deparei com o diagnóstico do Martim de hiperativo que andei feita barata tonta a procura de respostas e tratamentos.
A pediatra recomendou dar-lhe ómega 3(como ja vos contei noutro post).
E graças a deus os resultados têm sido muito positivos.
Por isso mesmo resolvi partilhar com vocês a informação que me foi dada pela pediatra, para que vos ajude tambem a vocês. 

"Déficit de atenção/hiperatividade (ADHD) e omega3:

Crianças com déficit de atenção/hiperatividade (ADHD) podem ter baixos níveis de ácidos graxos essenciais (incluindo EPA e DHA) no organismo. Estudos com aproximadamente 100 meninos mostraram que aqueles com níveis mais baixos de ômega-3, apresentaram mais problemas de aprendizado e comportamento (como temperamento variável e distúrbios do sono), do que meninos com níveis normais de ômega-3. Em estudos animais, baixos níveis de ômega-3 mostraram uma concentração mais baixa de certos neuroreceptores cerebrais (como a dopamina e a serotonina) relacionados com a…