Avançar para o conteúdo principal

Odeio o fim de semana, vá pode-me crucificar!!

Mais um domingo a chegar ao fim  e mais uma vez sinto-me exausta. Para muitos o fim de semana é sinónimo de descanso mas para mim é de exaustão. Adoro ter os meus meninos todo o dia comigo mas é extremamente cansativo.

O dia começou bem cedo, fui acordada não pelo sol a espreitar lá fora mas sim pelo Martim que teima em me acordar com as galinhas. Fazer pequenos almoços, estender roupas, fazer camas e arranjar os miudos para irmos almoçar a avó tornar-se uma verdadeira aventura,  quando se tem um miúdo que insiste em querer estar sempre a chorar agarrado a minhas pernas.

Depois de almoço fiz tudo para vir cedo para casa para ver se dava para descansar um pouco, mas quando se tem um filho hiperativo isso é impossível. Andei toda a tarde atrás dele, por momentos a jogar as cartas ou a brincar aos cantos da casa.  Ainda houver tempo para uma birra, uma daquelas das grandes que acabou com a mãe a chorar na casa de banho.
Depois entre lanches, sopas e almoços ainda me lembrei de fazer um trabalho  para a escola dele, resultado cola e algodão por toda a cozinha.
Dei banhos e sopinha e agora consegui meter tudo sossegado a ver desenhos animados.
Eu? Eu estou exausta!!
Mais cansada do que de semana,sinto a cabeça a roda de tanto barulho e alarido.
Quero o dia de amanha rapidamente, que não seja fim de semana tão cedo, que me digam para trabalhar sabados e domingos.
Sinto-me mal por pensar desta forma,  tenho de arranjar uma solução pois o fim de semana deveria ser para passar tempo de qualidade com os miúdos.
Mas enquanto isso não acontece eu continuo a ODIAR O FIM DE SEMANA!!!!

Comentários

  1. Vivo a mesma coisa. Tenho gêmeas autistas e só Jesus na causa.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Queridos leitores!

Queridos leitores
Infelizmente, estou a passar uma das piores provações que uma mãe e mulher pode passar.
Perdi o meu Amor, e os meus filhos perderam o pai.
Não sei quando retomarei a atividade normal do blogue. Peço desculpa a todas as marcas que me apoiam, a todas as pessoas que me seguem, mas este, para além de um momento de profunda dor, é um momento de muita luta. Nunca fui rica, no entanto, neste momento sou a única fonte de rendimento dos meus filhos. O trabalho, a burocracia relativas ao acidente do meu amor e os meus filhos têm me ocupado todo o meu tempo.
Peço que agora, mais que nunca, não deixem de acreditar em mim. Quero muito voltar, mas ainda não estou preparada.
Com amor,
Mónica

Alguma vez pensou como são escolhidas as mães de meninos especiais???

Recebi hoje um e-mail de uma leitora. Quando o li emocionei-me e pensei em todas as mães "especiais". Obrigada pela partilha! Tinha de o  partilhar convosco.
Este texto é para todas nós.

“Alguma vez pensou como Deus escolhe as mães das crianças especiais?

Eu já… Uma vez vi Deus a pairar sobre a Terra, selecionando o seu instrumento de propagação com grande carinho (…). Enquanto observava, instruía os seus Anjos a tomarem nota num grande livro:

– Para a Beth, um menino. Anjo da Guarda, Matheus.

– Para a Miriam, uma menina. Anjo da Guarda, Cecília.

– Para a Regina, gêmeos. Anjo da Guarda Geraldo, ele já está habituado. Finalmente, Ele passa um nome para o Anjo, sorri e diz:

– Dê a esta mãe uma criança deficiente. O Anjo, cheio de curiosidade, pergunta:

– Porquê ela, Senhor? Ela é tão alegre!

– Exatamente por isso, diz Ele. Como poderia eu dar uma criança a uma mãe que não sabe o valor de um sorriso? Seria cruel…

– Mas será que ela vai ter paciência?

– Eu não quero que ela tenh…

Eu e o Autismo

Hoje é um dia especial por isso não havia dia melhor para vós contar como o autismo entrou na minha vida,na nossa vida.

Tivemos dois anos em puro sofrimento, noites mal dormidas, gritos, desespero, perguntas e falta de respostas até que não meio de tantos possíveis diagnósticos o Autismo e o síndromes de Asperger foram posto na mesa.
Ambos com características que tão visíveis no Martim mas que eu não queria ver, não queria aceitar.
Como é que seria possível? Não não podia ser.
Por momentos senti que era eu que não lhe dava todos os componentes para que ele pudesse desenvolver sozinho.
Mas eu estava enganada o meu filho era especial eu tinha de entender isso para que o puder ajudar.
Claro que não foi fácil mas consegui e todos os dias me pergunto onde fui buscar a força.
O autismo veio mudar a minha vida e a minha forma de pensar e agir. Transformou me numa mãe diferente mas a grande mudança foi como pessoa, passei a ser mais humana e mais atenta aos outros.
Os meus objetivos de vida t…