Avançar para o conteúdo principal

A culpa é da risperidona

 Hoje em dia  fala se muito das crianças que não comem, mas e as comem demais(muitos vezes por causa de medicamentos) e estão acima do peso, como fazemos?

 Primeiro é importante que nos pais percebamos se o nosso  filho está acima do peso e não é simplesmente uma criança fofinha.

Não é fácil perceber que nosso filho está acima do peso, pois existe uma cultura de que criança saudável são as mais “gordinhas” ou “fofinhas” e não as magrinhas.

Existem 2 tipos de crianças acima do peso:

As que comem o que não devem e as que comem demais até mesmo o saudável.

O Martim começou a tomar risperidona e começou a come muito, muitas vezes é complicado o conseguir controlar. .
É uma criança que se o deixarem toma duas vezes o pequeno almoço ou ate come três pratos de sopa ao almoço. Não passou a comer mais doces, apenas as coisas que mais gosta como sopa, iogurtes, leite ou ate fruta.

Um dos truques é meter pouca comida no prato e se pedir para repetir dou o resto da dose dita normal, assim não come mais do que deve.
Outro troques que aprendi foi oferecer legumes crus(cenoura, tomate)  ou fruta quando pede bolachas.

Para ja ainda não engordou muito mas penso que isso é devido ao meu controle diário e também por a redução de alimentos calóricos cá em casa.

Mas claro que também se perde por bolos e bolachas mas esses alimentos estão guardados para dias especiais.

E por ai a risperidona também aumenta o apetite?? Que troques ussam para controlar??

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Queridos leitores!

Queridos leitores
Infelizmente, estou a passar uma das piores provações que uma mãe e mulher pode passar.
Perdi o meu Amor, e os meus filhos perderam o pai.
Não sei quando retomarei a atividade normal do blogue. Peço desculpa a todas as marcas que me apoiam, a todas as pessoas que me seguem, mas este, para além de um momento de profunda dor, é um momento de muita luta. Nunca fui rica, no entanto, neste momento sou a única fonte de rendimento dos meus filhos. O trabalho, a burocracia relativas ao acidente do meu amor e os meus filhos têm me ocupado todo o meu tempo.
Peço que agora, mais que nunca, não deixem de acreditar em mim. Quero muito voltar, mas ainda não estou preparada.
Com amor,
Mónica

Alguma vez pensou como são escolhidas as mães de meninos especiais???

Recebi hoje um e-mail de uma leitora. Quando o li emocionei-me e pensei em todas as mães "especiais". Obrigada pela partilha! Tinha de o  partilhar convosco.
Este texto é para todas nós.

“Alguma vez pensou como Deus escolhe as mães das crianças especiais?

Eu já… Uma vez vi Deus a pairar sobre a Terra, selecionando o seu instrumento de propagação com grande carinho (…). Enquanto observava, instruía os seus Anjos a tomarem nota num grande livro:

– Para a Beth, um menino. Anjo da Guarda, Matheus.

– Para a Miriam, uma menina. Anjo da Guarda, Cecília.

– Para a Regina, gêmeos. Anjo da Guarda Geraldo, ele já está habituado. Finalmente, Ele passa um nome para o Anjo, sorri e diz:

– Dê a esta mãe uma criança deficiente. O Anjo, cheio de curiosidade, pergunta:

– Porquê ela, Senhor? Ela é tão alegre!

– Exatamente por isso, diz Ele. Como poderia eu dar uma criança a uma mãe que não sabe o valor de um sorriso? Seria cruel…

– Mas será que ela vai ter paciência?

– Eu não quero que ela tenh…

Eu e o Autismo

Hoje é um dia especial por isso não havia dia melhor para vós contar como o autismo entrou na minha vida,na nossa vida.

Tivemos dois anos em puro sofrimento, noites mal dormidas, gritos, desespero, perguntas e falta de respostas até que não meio de tantos possíveis diagnósticos o Autismo e o síndromes de Asperger foram posto na mesa.
Ambos com características que tão visíveis no Martim mas que eu não queria ver, não queria aceitar.
Como é que seria possível? Não não podia ser.
Por momentos senti que era eu que não lhe dava todos os componentes para que ele pudesse desenvolver sozinho.
Mas eu estava enganada o meu filho era especial eu tinha de entender isso para que o puder ajudar.
Claro que não foi fácil mas consegui e todos os dias me pergunto onde fui buscar a força.
O autismo veio mudar a minha vida e a minha forma de pensar e agir. Transformou me numa mãe diferente mas a grande mudança foi como pessoa, passei a ser mais humana e mais atenta aos outros.
Os meus objetivos de vida t…