Avançar para o conteúdo principal

Ter um irmao hiperativo

Uma criança hiperativa exerce um impacto grande e às vezes inesperado sobre os membros da família, levando muitas vezes a um desgaste emocional  pela incapacidade que esta criança tem de se ajustar às expectativas dos seus familiares, causando prejuízos como o desgastde energia, de tempo, das relações e da saúde.

A criança com Transtorno do Défice de Atenção com Hiperatividade (TDAH) pode provocar um grande desequilíbrio na  família.
É difícil para os pais lidar com a variação do seu comportamento, já que ela consegue certo controle sobre algumas atividades solicitadas pelos pais, levando-os a interpretar estes comportamentos da criança como de propósito ou executados só para irritá-los.

Estas crianças possuem a capacidade de esgotar seus pais, deixando-os envergonhados pelo comportamento inadequado e pelas diversas críticas que recebem, assim como rejeitados ou culpados.

Os irmãos da criança hiperativa também têm sentimentos negativos sobre elas, pois logo percebem que ela concentra mais tempo e atenção dos pais, o que torna uma fonte de inveja, ciúme, raiva e frustração, principalmente quando os irmãos são mais novos. A diferença de tratamento entre eles e a criança hiperativa acarreta, para os primeiros, perda de benefícios ou discriminação, o que aumenta ainda mais os sentimentos negativos.

A relação entre os irmãos é muito difícil, pois sua baixa tolerância à frustração a conduz a não aceitar os direitos dos outros, como também afasta a possibilidade de troca de afeto. Os irmãos da criança que sofre do TDAH tendem a crescer cansados.

As interações com os pais também são difíceis, mas com os pais elas parecem se comportar melhor, sendo menos negativas e mais capazes de permanecer em tarefas do que quando em companhia das mães.

Muitas vezes é deixada à mãe a tarefa de interagir com este filho nas circunstâncias do dia a dia, como prepará-lo para ir à escola, ensinar suas tarefas escolares, além de cuidar dos outros filhos e das tarefas do lar, mesmo quando trabalham fora de casa. A mãe geralmente se utiliza, com carinho, do diálogo e da razão para lidar com os problemas de comportamento dos filhos, enquanto a maioria dos pais é menos paciente, e não se empenham num repetido apelo para que seu filho hiperativo realize uma tarefa.

A família tem de ter uma estrutura forte para acompanhar a criança com união e amor!


Comentários

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Queridos leitores!

Queridos leitores
Infelizmente, estou a passar uma das piores provações que uma mãe e mulher pode passar.
Perdi o meu Amor, e os meus filhos perderam o pai.
Não sei quando retomarei a atividade normal do blogue. Peço desculpa a todas as marcas que me apoiam, a todas as pessoas que me seguem, mas este, para além de um momento de profunda dor, é um momento de muita luta. Nunca fui rica, no entanto, neste momento sou a única fonte de rendimento dos meus filhos. O trabalho, a burocracia relativas ao acidente do meu amor e os meus filhos têm me ocupado todo o meu tempo.
Peço que agora, mais que nunca, não deixem de acreditar em mim. Quero muito voltar, mas ainda não estou preparada.
Com amor,
Mónica

Perdi.....

Mais um vez fui posta a prova,mas desta vez o desafio supera todas as minhas forças. Perdi o meu amor,o meu grande amor,o pai dos meus filhos, o homem a quem prometi ser a melhor mãe do mundo.
Perdi tudo!
Não fui avisada nem tive tempo de me despedir, foi tudo rápido de mais.
Sem qualquer tipo de preparação fiquei sem chão, e honestamente não sei se estarei a altura deste desafio.
É dos sentimentos mais cruéis e duros que já senti na vida!
Só queria acordar e constatar que isto não passava de um pesadelo e que o meu amor estava vivo.
Mas infelizmente isso não irá acontecer,terei de arranjar forças vindas não sei de onde e continuar a vida.
Se será fácil? Não, claro que não nas terei de o ser pelos meus filhos  .
E não ne venham dizer que passa pois nunca irá passar,passava se fosse uma dor de barriga, mas não o é!!!
Perdi o meu amor, o meu grande amor!!!

Alguma vez pensou como são escolhidas as mães de meninos especiais???

Recebi hoje um e-mail de uma leitora. Quando o li emocionei-me e pensei em todas as mães "especiais". Obrigada pela partilha! Tinha de o  partilhar convosco.
Este texto é para todas nós.

“Alguma vez pensou como Deus escolhe as mães das crianças especiais?

Eu já… Uma vez vi Deus a pairar sobre a Terra, selecionando o seu instrumento de propagação com grande carinho (…). Enquanto observava, instruía os seus Anjos a tomarem nota num grande livro:

– Para a Beth, um menino. Anjo da Guarda, Matheus.

– Para a Miriam, uma menina. Anjo da Guarda, Cecília.

– Para a Regina, gêmeos. Anjo da Guarda Geraldo, ele já está habituado. Finalmente, Ele passa um nome para o Anjo, sorri e diz:

– Dê a esta mãe uma criança deficiente. O Anjo, cheio de curiosidade, pergunta:

– Porquê ela, Senhor? Ela é tão alegre!

– Exatamente por isso, diz Ele. Como poderia eu dar uma criança a uma mãe que não sabe o valor de um sorriso? Seria cruel…

– Mas será que ela vai ter paciência?

– Eu não quero que ela tenh…