Avançar para o conteúdo principal

Serei maluca?

Eu adoro os meus filhos e todos os momentos passados com eles  mas o chegar das minhas ferias poem me em pânico.

Ferias são para descansar mas eu faço tudo menos descansar e que ninguém me venha dizer que não descanso porque não quero.
Eu sozinha durante 15 dias com 3 miúdos (um que vale por 10) não descanso porque não consigo.

Sair com eles ate não é muito complicado mas com este calor  pretendo apenas ir levar o piolho a terapia da fala e as compras se for preciso.

As manhas começam bem cedo pois eles não dormem mais que as 7.30 e depois é tentar inventar coisas para os entreter.
Já pensei em começar a procurar actividades para fazer,em comprar muitos lápis de cor,tintas e folhas pois são coisas que gostam e os ajuda a passar o tempo.
Muitas das vezes sai tudo ao lado pois há sempre um que não gosta ou que acordou para um dia não.

Há sempre birras e confusão entre eles que me deixam a cabeça em agua e acabo mais cansada do que a trabalhar.

Normalmente acalmam ao fim do dia mas ai aproveito para arrumar o que desarrumaram.
E assim passam 15 dias que deveriam ser para descansar e eu acabo pior que a trabalhar.

Mas de uma coisas podem ter a certeza acabo as ferias de coração cheio!

Serei maluca ou há mais gente a passar por isto?
Contem me os vossos troques.

Beijinhos e ate ja!




Comentários

Mensagens populares deste blogue

Queridos leitores!

Queridos leitores
Infelizmente, estou a passar uma das piores provações que uma mãe e mulher pode passar.
Perdi o meu Amor, e os meus filhos perderam o pai.
Não sei quando retomarei a atividade normal do blogue. Peço desculpa a todas as marcas que me apoiam, a todas as pessoas que me seguem, mas este, para além de um momento de profunda dor, é um momento de muita luta. Nunca fui rica, no entanto, neste momento sou a única fonte de rendimento dos meus filhos. O trabalho, a burocracia relativas ao acidente do meu amor e os meus filhos têm me ocupado todo o meu tempo.
Peço que agora, mais que nunca, não deixem de acreditar em mim. Quero muito voltar, mas ainda não estou preparada.
Com amor,
Mónica

Alguma vez pensou como são escolhidas as mães de meninos especiais???

Recebi hoje um e-mail de uma leitora. Quando o li emocionei-me e pensei em todas as mães "especiais". Obrigada pela partilha! Tinha de o  partilhar convosco.
Este texto é para todas nós.

“Alguma vez pensou como Deus escolhe as mães das crianças especiais?

Eu já… Uma vez vi Deus a pairar sobre a Terra, selecionando o seu instrumento de propagação com grande carinho (…). Enquanto observava, instruía os seus Anjos a tomarem nota num grande livro:

– Para a Beth, um menino. Anjo da Guarda, Matheus.

– Para a Miriam, uma menina. Anjo da Guarda, Cecília.

– Para a Regina, gêmeos. Anjo da Guarda Geraldo, ele já está habituado. Finalmente, Ele passa um nome para o Anjo, sorri e diz:

– Dê a esta mãe uma criança deficiente. O Anjo, cheio de curiosidade, pergunta:

– Porquê ela, Senhor? Ela é tão alegre!

– Exatamente por isso, diz Ele. Como poderia eu dar uma criança a uma mãe que não sabe o valor de um sorriso? Seria cruel…

– Mas será que ela vai ter paciência?

– Eu não quero que ela tenh…

Eu e o Autismo

Hoje é um dia especial por isso não havia dia melhor para vós contar como o autismo entrou na minha vida,na nossa vida.

Tivemos dois anos em puro sofrimento, noites mal dormidas, gritos, desespero, perguntas e falta de respostas até que não meio de tantos possíveis diagnósticos o Autismo e o síndromes de Asperger foram posto na mesa.
Ambos com características que tão visíveis no Martim mas que eu não queria ver, não queria aceitar.
Como é que seria possível? Não não podia ser.
Por momentos senti que era eu que não lhe dava todos os componentes para que ele pudesse desenvolver sozinho.
Mas eu estava enganada o meu filho era especial eu tinha de entender isso para que o puder ajudar.
Claro que não foi fácil mas consegui e todos os dias me pergunto onde fui buscar a força.
O autismo veio mudar a minha vida e a minha forma de pensar e agir. Transformou me numa mãe diferente mas a grande mudança foi como pessoa, passei a ser mais humana e mais atenta aos outros.
Os meus objetivos de vida t…